DNPJ: que rumo?

Aqui fica um desafio a pensar os rumos possíveis para o DNPJ.

 

O Pe. Vasco Pedrinho, actual responsável pelo DNPJ (= Departamento Nacional de Pastoral Juvenil) renunciou ao cargo de director do DNPJ. Enquanto se encontra uma alternativa (ou se adia a decisão), acho que faz sentido pensar o que se espera do DNPJ, neste contexto eclesial e social. Em vez de falar, aos cochichos nos bastidores, penso que pode ser mais maduro e eclesial pensar alto e publicar as ideias sobre algumas questões importantes para a pastoral de jovens em Portugal.

Peguei nas Bases para a Pastoral Juvenil (2002) e gostei de as reler. Se calhar há um qualquer documento jurídico-estatutário a dizer o que se quer do DNPJ e do seu responsável.

Bases 24

Mas convido-vos a ler o que dizem as Bases no nº 24.

24. No âmbito dos Serviços da CEP, o Departamento Nacional da Pastoral Juvenil tem por missão fomentar, a nível nacional, o encontro das diversas instituições eclesiais de pastoral da juventude, assegurando entre elas a melhor articulação e coordenação; estudar formas adequadas de evangelizar e educar os jovens na fé; proporcionar itinerários de formação para os jovens e seus educadores; apoiar e colaborar com os serviços diocesanos e com os diferentes movimentos; promover a unidade entre eles, através de iniciativas comuns às dioceses e movimentos apostólicos juvenis; responder, no âmbito da pastoral juvenil, às solicitações de participação e representatividade nacional e internacional.

 

O Departamento Nacional tem um Director, padre ou leigo, nomeado pela CEP. No caso de o Director ser um leigo, a equipa terá um Assistente Nacional, também nomeado pela CEP.

 

Para a reflexão alargada dos problemas e projectos da Pastoral Juvenil é constituído um Conselho Nacional, que integrará representantes dos Serviços Diocesanos, Movimentos, Institutos e Associações Juvenis. O Conselho é um fórum privilegiado de debate, estudo, actualização dos anseios dos jovens, dos seus ambientes e das propostas pastorais mais adequadas para promover a comunhão de diversidades, o aprofundamento de conteúdos e acções concretas relativos aos jovens.

 

Eu leio esse número numa lógica de subsidiariedade. Isto é, não espero que seja o DNPJ a “salvar” magicamente, de cima para baixo, a pastoral juvenil em Portugal. A pastoral juvenil (e todas as outras) são primeiramente feitas cá na base. E as estruturas eclesiais de governo, coordenação e animação, seja a que nível for, aparecem numa lógica de subsidiariedade, isto é, para fazer o que não pode ser feito pela base.

O DNPJ tem por missão

  • “fomentar, a nível nacional, o encontro das diversas instituições eclesiais de pastoral da juventude, assegurando entre elas a melhor articulação e coordenação…”

É uma das áreas onde se têm conseguido resultados interessantes e uma boa progressão. É importante continuar a ser ponte, a promover uma cultura de colaboração e diálogo.

 

  • estudar formas adequadas de evangelizar e educar os jovens na fé;

Esta dimensão de estudo, de pensamento, de inovação e investigação é que tem estado mais apagada. Bem sei que é difícil numa igreja com poucos recursos como a nossa ter grande produção teórica mas precisamente por isso é que um serviço como o DNPJ pode ser importante ao promover o encontro dos estudiosos, ao estimular o pensamento, ao disseminar resultados e intuições inovadoras.

 

  • proporcionar itinerários de formação para os jovens e seus educadores;

Não subscrevo muito este tipo de objectivos porque considero que não corresponderia à missão de um organismo da CEP (= Conferência Episcopal Portuguesa) o desenvolvimento de propostas concretas (isto aplica-se quer ao DNPJ com os tais itinerários quer ao SNEC (= Secretariado Nacional de Educação Cristã) e aos famigerados materiais catequéticos que não há maneira de verem a luz do dia). Mas a verdade é que o DNPJ conseguiu apadrinhar e divulgar dois itinerários: o “+ 10” e o “Projecto GPS”.

 

  • apoiar e colaborar com os serviços diocesanos e com os diferentes movimentos;

 

Para esta tarefa é imprescindível uma disponibilidade e competência adequadas. É minha opinião que a maioria das estruturas diocesanas de pastoral juvenil são muito frágeis. Ter uma estrutura nacional competente e disponível seria útil para  apoiar as dioceses com mais dificuldades a darem um salto de qualidade.

 

  • promover a unidade entre eles [os serviços diocesanos e com os diferentes movimentos], através de iniciativas comuns às dioceses e movimentos apostólicos juvenis;

Esta é a agenda “clássica” do DNPJ: a organização e coordenação de iniciativas comuns. Num certo sentido parece-me das tarefas menos interessantes. Se calhar porque nos últimos anos temos sido “mal habituados” a uma qualidade mais que adequada. Tendemos a considerar eventos como o Fátima Jovem, o festival nacional ou a participação nas JMJ como “business as usual” porque têm funcionado razoavelmente bem.

 

  • responder, no âmbito da pastoral juvenil, às solicitações de participação e representatividade nacional e internacional

Esta última tarefa responde às tarefas mais institucionais de representação.

Partilhe

Facebook
WhatsApp

Mais recursos

Todas
Recursos 502
Oração 174
Músicas 0
Técnicas e Dinâmicas 31
Avaliar-me-catequista-crente
Avaliar-me como catequista e como crente!
Partilhamos um esquema de avaliação e desempenho para catequistas. Não pretende fazer acusações nem premiar...
Pentecostes-1
Pentecostes ou as línguas de fogo
O livro "Da mão para o coração - 5 minutos de criatividade para a Bíblia" sugere uma atividade para se...
6 dicas Tempo Pascal
Seis ideias para dinamizar o Tempo Pascal

Há diversas formas de convidar a comunidade a celebrar a Páscoa.

Dia do Pai
Dia do pai - celebração familiar
Este dia celebra-se no dia 19 de março, porque é o dia de S.José. Sugerimos esta breve celebração antes...
5 dicas para a Quaresma
5 dicas para dinamizar a Quaresma
Neste artigo, damos-te cinco dicas para dinamizares a Quaresma, envolvendo as crianças e famílias da...
Dramatização do Evangelho
Dramatização do Evangelho
A dramatização é uma das linguagens possíveis para anunciar o Evangelho. No teatro, comunicamos com o...
Como lidar com fracasso catequese
Como lidar com o fracasso na catequese?

Às vezes, as coisas correm mal. Como reagir?

Festa da Gratidão
Festa da Gratidão - Encerramento do ano
Quando termina um ano de atividades, é oportuno que a comunidade se reúna para agradecer. A este momento...