Acabou tudo… que tristeza!

Que sentem os rapazes e as raparigas que acabam de ser abandonados?
Imaginai que vos cai em cima da cabeça um fardo de 100 quilos e que até vedes as estrelas...

Bem, é assim que nos sentimos!
É só tristeza, depois de serdes abandonados? Não, é uma coisa muito diferente. Sobretudo, há uma sensação estranha que nos inunda os ossos, bloqueia o nosso ritmo diário e obriga-nos a dizer: «Mas que aconteceu?». Olhais-vos ao espelho e não vos reconheceis; as pessoas amigas falam convosco e nem sequer as ouvis.
Gostaríeis de sair, mas há alguma coisa que vos impede. E o desconforto da «ressaca», do abatimento que, muitas vezes, se segue a uma aventura mal sucedida.
«Não há amor desperdiçado».
Don Chisciotte
Contudo, deveis ser mais fortes do que o caruncho (pelo menos experimentai!).
Reagi (agora, vou mostrar que…) e fazei de modo que ninguém se oponha à vossa felicidade! Começais a sorrir o mais depressa possível, que o vosso coração precisa!

DE KO A OK

Depois de serdes abandonados, a vida continua.
Eis as etapas de uma caminhada inicialmente um pouco dolorosa, mas certamente útil.

A tragédia

Foi realmente um rude golpe, uma tragédia…
E foi de tal modo que o primeiro instante depois do choque («Olha, queria pedir-te que nunca mais nos víssemos») é constituído por sentimentos contrastantes, que rondam a nossa cabeça como vespas enfurecidas: incredulidade («Não é possível…»), ansiedade («E, agora, que vou fazer?»), raiva («E logo a mim…»), medo («Mas que mal fiz eu?»). A tragédia consiste precisamente nisto: pensáveis que tínheis construido com o vosso parceiro um entendimento perfeito (como dizem s publicidades) e, pelo contrario, encontrais-vos de mãos vazias, com
muita vontade de chorar e de fugir para longe e, possivelmente, sem compreender por motivo fostes abandonados/as.

A tomada de consciência

O «trauma» de se ser abandonado fecha-vos em vós mesmos. É o período «do ouriço»: se alguém vos toca, picais! É o momento em que, realmente, tomais consciência de tudo o que aconteceu: repensais palavras e gestos, encontrais-vos sós… e é deveras difícil saber consolar-se!

A tristeza

E a tristeza chega tão pontual, como o Sol todas as manhãs. Mas, agora, é uma tristeza especial. Agora vedes, em contraluz, de longe, com mais calma o que vos aconteceu.
E já não vos sentis capazes de entusiasmos fáceis e ingénuos.

O empacotamento

Chegou o momento de empacotar a história.
Alto lá! Mas não pode ser esquecida. Deve ser armazenada, preparada e gravada na cassete das experiências. Bem ou mal, embora não nos recordemos dela, ao viverdes estes quatro momentos tereis certamente amadurecido; tereis aprendido muito sobre vós próprios e sobre os outros.
Portanto, é justo que façais disso um tesouro para a próxima vez, para a próxima paixão, para o próximo amor.
Também porque a tragédia, a tomada de consciência e a tristeza são momentos: chegam, perturbam um pouco e afastam-se. Passado o temporal, ficais vós com a vossa juventude e com um coração que está pronto para renascer e amar.


AS SOLUÇÕES DO CORAÇÃO

• A vossa «história de amor» já acabou;
abandonai os desejos de vingança: não penseis mal da pessoa que, efectivamente, vos está a fazer sofrer. Esforçai-vos por serdes «positivos», por não vos deixardes abater.
• E, se ainda não vos passou o facto de terdes sido «abandonados», mudai de ponto de vista e dizei assim: «OK! Estou a sofrer, mas o que aconteceu já acabou: tornou-me mais consciente e abriu-me os olhos». Guardar as experiências significa precisamente isto: olhar com olhos límpidos para tudo o que viveis, pensando que nada acontece por acaso!
• Então, não estejais tristes: obrigai a dura experiência a fazer uma viragem positiva, antes que a recordação do que aconteceu se torne maior do que uma montanha. Ser abandonado/a pela rapariga ou pelo rapaz não é uma vergonha nem uma culpa nem uma condenação. Faz parte da vida. Dizei a vós próprios: «Mas, afinal, a montanha pariu um rato!».
• Olhai para dentro, olhai para o vosso coração um pouco maltratado e inspirai profundamente: o coração ainda palpita e, agora, mais fortemente do que nunca. Mas resistiu à tempestade, não se estragou e ei-lo pronto para conduzir-vos novamente para os caminhos do amor!

Partilhe

Facebook
WhatsApp

Mais recursos

Todas
Recursos 502
Oração 174
Músicas 0
Técnicas e Dinâmicas 31
Avaliar-me-catequista-crente
Avaliar-me como catequista e como crente!
Partilhamos um esquema de avaliação e desempenho para catequistas. Não pretende fazer acusações nem premiar...
Pentecostes-1
Pentecostes ou as línguas de fogo
O livro "Da mão para o coração - 5 minutos de criatividade para a Bíblia" sugere uma atividade para se...
6 dicas Tempo Pascal
Seis ideias para dinamizar o Tempo Pascal

Há diversas formas de convidar a comunidade a celebrar a Páscoa.

Dia do Pai
Dia do pai - celebração familiar
Este dia celebra-se no dia 19 de março, porque é o dia de S.José. Sugerimos esta breve celebração antes...
5 dicas para a Quaresma
5 dicas para dinamizar a Quaresma
Neste artigo, damos-te cinco dicas para dinamizares a Quaresma, envolvendo as crianças e famílias da...
Dramatização do Evangelho
Dramatização do Evangelho
A dramatização é uma das linguagens possíveis para anunciar o Evangelho. No teatro, comunicamos com o...
Como lidar com fracasso catequese
Como lidar com o fracasso na catequese?

Às vezes, as coisas correm mal. Como reagir?

Festa da Gratidão
Festa da Gratidão - Encerramento do ano
Quando termina um ano de atividades, é oportuno que a comunidade se reúna para agradecer. A este momento...