Estratégia para a formação

A diocese de Braga publicou no Verão um documento chamado “Catequista: rosto e porta-voz da fé da Igreja. Estratégia para a formação”.

Nascido da situação e da reflexão da catequese em Braga é um documento cuja leitura vale a pena para todos aqueles que procuram melhorar a catequese e a formação dos catequistas.

 

É um plano estratégico. Tem que ver com as questões de fundo. Quer “dar uma resposta abrangente à realidade dos catequistas (…) na fidelidade à Igreja de Jesus Cristo”.

 Começa com o enquadramento. Recorda a inspiração cristológica do nosso ser catequistas. É importante começar por aqui, por buscar em Jesus Cristo, no seu estilo pastoral e comunicativo, a inspiração para o que nós devemos ser e fazer hoje. É importante que este enquadramento cristológico do documento não seja apenas uma vaga recordação arqueológica.

E logo a seguir, ainda no enquadramento, olha-se à realidade actual da catequese. À pluralidade de situações e desafios que a diocese enfrenta.

Estes dois vectores do Enquadramento deixaram-me logo com vontade de ler o documento. Assume o estilo que Paulo VI propôs a toda a evangelização da Igreja.

A ponte entre a situação da Igreja actual e o projecto de Jesus deve ser activada pela missão dos catequistas bem formados.

Sobre esta formação diz-se que está dividida em três momentos: iniciação, curso geral e estágio.

Atendendo a possíveis lacunas doutrinais dos candidatos a catequistas recomenda-se que a formação seja complementada com formação doutrinal básica.

Insistem ainda na necessidade de formação permanente, “que visa recordar e aprofundar aspectos já abordados ou aprender novos conteúdos que entretanto foram surgindo”.

 {jospagebreak_scroll title=2ª parte}

Vem depois uma segunda parte onde se descrevem as várias tipologias de catequistas e quais as suas competências.

O documento identifica:

  • catequistas auxiliares;
  • catequistas
  • catequistas coordenador paroquial
  • catequista coordenador, âmbito diocesano
  • formador

Muitas dioceses aboliram de facto a distinção entre catequista auxiliar e catequista. Suponho que a diocese de Braga não mantém esta distinção por amor às hierarquias. Trata-se de reconhecer eclesialmente como distinta a situação de quem tem uma forte autonomia e de quem ainda a não tem.

De aplaudir o explícito reconhecimento da figura do coordenador. A catequese funciona em itinerário, mesmo nas paróquias mais pequenas e com menos catequistas. É imprescindível uma coordenação de qualidade.

 

Para cada um destes tipos de catequista o documento identifica:

  • Enquadramento/Missão. Uma descrição breve deste ministério.
  • Pré-requisitos. Uma lista das competências, valores e posturas que são necessárias à partida para o exercício deste ministério.
  • Actividades. O que é que este catequista está chamado a fazer.
  • Competências. Quais as competências que este cristão deve dominar para servir com qualidade a Igreja. Esta clarificação de competências é muito importante pois a formação servirá, precisamente, para atingir estas competências. As competências estão divididas em quatro áreas: Comportamento – Saber ser/estar; Conhecimento – Saber; Aptidões – Saber fazer; Adaptabilidade.

Penso que faltam aqui os critérios de recrutamento. Não percebi quem é que convida alguém para catequista. (Bem sei que na prática esse não é o problema; o problema é arranjar alguém que diga sim e que nos ajude a preencher o quadro!) Mas, pensemos no catequista coordenador: quem o escolhe/elege/nomeia? Qual o mandato de cada uma destas figuras?

{jospagebreak_scroll title=3ª parte} 

Na 3ª parte o documento descreve as várias propostas formativas.

Para cada proposta o documento indica:

  • Enquadramento. Qual a motivação do curso.
  • Objectivos gerais. Qual o resultado desejado da acção formativa.
  • Conteúdos. Em termos sintéticos, o que se aprende no curso.
  • Destinatários.
  • Carga horária.
  • Competência. Quem promove estes cursos.

 

Ao nível da formação doutrinal elementar, o documento identifica:

  • Curso acreditar. Porque nem todos os catequistas adquiriram os conhecimentos básicos da fé enquanto catequizandos.
  • Curso de introdução. Para aqueles adolescentes e jovens que se vão envolvendo na catequese.

 

Depois, de forma mais sistemática surgem:

  • Curso de iniciação
  • Curso geral
  • Estágio
  • Curso complementar

Partilhe

Facebook
WhatsApp

Relacionados

Noticia-Apresentacao-Rezar-com-Maria
Apresentação do livro "Rezar com Maria"
"Rezar com Maria", o 11º livro de Paulo Costa, pela Salesianos Editora, foi apresentado em Santa Maria...
NOTICIA-PEDROSA-FERREIRA
Faleceu Pe. Pedrosa Ferreira
Partiu para o Pai, a 22 de abril de 2024 um dos nomes incontornáveis da catequese, em Portugal. Salesiano...
Dia do Livro 2024 Noticia
Descontos - Dia Mundial do Livro 2024
O Dia Mundial do Livro celebra-se a 23 de abril. Associamo-nos a esta festa, com o lançamento de uma...
Rui Alberto Ecclesia
Pe. Rui Alberto apresenta Novo Itinerário da Catequese no programa da RTP 2 “A Fé dos Homens”
O Diretor Editorial da Salesianos Editora esteve no programa Ecclesia, transmitido na RTP 2, a apresentar...

Últimas

Pesquisa