Exige que deixe o meu grupo

«Exigiu-me que deixasse o meu grupo… e eu não o quero fazer. Gosto dele, mas exige demasiado!».
«Posso até deixar o meu grupo, porque ele mo pediu, mas, depois, com que amigos ficarei?».
Pois é, jovens, é um grande problema.
Este tipo de pedidos ou exigências, um pouco estranhos, mas muitas vezes insistentes, quando tomados a sério, provocam dores de estômago! Brincadeiras à parte, frequentemente esses pares entram «em crise» porque não conseguem encontrar um acordo: «Dedicas mais tempo aos teus amigos do que a mim», «Quero que passemos mais tempo juntos», «As pessoas com quem andas não me agradam»; e outras frases parecidas.
«E quando estamos sós sentimo-nos como num galho, no Inverno, queimados pelo frio.Quando estamos perdidos num monte agreste,suspensos no vazio.Se continuarmos sós, nunca saberemos o que somos».
Gen Rosso
Perante este tipo de pedidos ou exigências, as reacções podem ser duas, mas ambas erradas.

PRIMEIRA REACÇÃO

A primeira reacção nasce espontânea nos corações meigos e sensíveis. Como não pretendeis romper uma relação magnífica, inclinais a cabeça e dizeis: «Como tu quiseres».
ALTO! Concordo que gostais muito um do outro e que vos atiraríeis ao mar, sem colete de salvação; mas pensais que será justo deixar os amigos?
Não, jovens, não é o melhor caminho.
Abandonar o grupo, os amigos com que vos divertíeis, significa correr ao encontro da solidão. E se inicialmente, passar algum tempo em «Eu e tu-, tu e eu» pode parecer agradavél e até romântico, semanas depois isso torna-se um pouco aborrecido. Não acreditais? Procurai observar todos os casalinhos que encontrardes sós. Observai os seus olhares. serão realmente olhares de felicidade?

SEGUNDA REACÇÃO

«Pediu-me para deixar o meu grupo?
Está doido/a! Não abandonarei o meu grupo de amigos. Ou se adapta à minha vida ou então não dá!». É esta a segunda reacção.
Segundo ALTO!
Primeiro fostes demasiado brandos, agora sois um pouco «selvagens». Os «ou, ou» (isto é, as escolhas que só têm duas direcções opostas) não caem muito bem quando, entre elas, está o amor. Antes de responder de maneira assim tão seca e provocatória, antes de dizer coisas que, talvez, não pensais, procurai reflectir e tentai perguntar a vós próprios: «Por que fez esta exigência que me parece tão absurda?».

À PROCURA..

Por que é que, então (e, aqui, o discurso torna-se «duro»), muitos de vós ouvem fazer-lhes esta exigência? O que é que haverá no grupo que seja assim tão mau, tão horrível, tão pavoroso e perigoso? Podemos investigar um pouco…
1) O grupo é formado por pessoas não muito recomendáveis. A exigência, então, é mais que óbvia, é mais do que séria. E deves ouvi-la!
2) O rapaz quer que lhe dediques mais tempo e tu andas sempre a passear com as amigas!
O pedido é inteligente! És tu quem tem de decidir do que gostas mais. Mas toma cuidado com as escolhas precipitadas!
3) A rapariga lamenta-se porque os amigos do rapaz não vestem roupa de marca, não andam bem nos estudos. A exigência é discutível.
Precisais de falar disso juntos!
A lista dos casos poderia continuar. Contudo, o mais importante era mostrar-vos que, escondidos entre os motivos um tanto estúpidos, poderiam ocultar-se motivações inteligentes e sérias, pelas quais deveríeis deixar as companhias. Nem sempre o «Pediu-me para deixar o grupo de amigos» é ditado pelo egoísmo ou pelo ciúme (digamos que muito frequentemente é…, mas nem sempre!).

MEMORIAL INTELIGENTE

Antes de dardes respostas demasiado brandas ou demasiado duras, de que podereis mais tarde arrepender-vos, recordai sempre que:
A companhia é um ingrediente fundamental do vosso crescimento. Ninguém nasce para viver isolado. É justo e belo, portanto, que tenhais muitos amigos e que passeis algum tempo com eles porque a ami¬zade deve ser cultivada.
A experiência a dois, quando existe, também é importante. Contudo, é igualmente importante saber fazer ambas as coisas simultaneamente: o amigo ou a amiga e o namorado ou a namorada. Pensais que é impossível? De modo nenhum!
E preciso gostar muito dos amigos e do namorado ou namorada.
E, quando surgir algum problema, pois há modos diferentes de ver o amor, a amizade, o grupo, a companhia…, antes de puxardes pelos cabelos…, falai um com o outro. Não fujais ao problema, não procureis ajuda demasiado longe, pois a solução ésta dentro de vós!

Partilhe

Facebook
WhatsApp

Mais recursos

Todas
Recursos 502
Oração 174
Músicas 0
Técnicas e Dinâmicas 31
Avaliar-me-catequista-crente
Avaliar-me como catequista e como crente!
Partilhamos um esquema de avaliação e desempenho para catequistas. Não pretende fazer acusações nem premiar...
Pentecostes-1
Pentecostes ou as línguas de fogo
O livro "Da mão para o coração - 5 minutos de criatividade para a Bíblia" sugere uma atividade para se...
6 dicas Tempo Pascal
Seis ideias para dinamizar o Tempo Pascal

Há diversas formas de convidar a comunidade a celebrar a Páscoa.

Dia do Pai
Dia do pai - celebração familiar
Este dia celebra-se no dia 19 de março, porque é o dia de S.José. Sugerimos esta breve celebração antes...
5 dicas para a Quaresma
5 dicas para dinamizar a Quaresma
Neste artigo, damos-te cinco dicas para dinamizares a Quaresma, envolvendo as crianças e famílias da...
Dramatização do Evangelho
Dramatização do Evangelho
A dramatização é uma das linguagens possíveis para anunciar o Evangelho. No teatro, comunicamos com o...
Como lidar com fracasso catequese
Como lidar com o fracasso na catequese?

Às vezes, as coisas correm mal. Como reagir?

Festa da Gratidão
Festa da Gratidão - Encerramento do ano
Quando termina um ano de atividades, é oportuno que a comunidade se reúna para agradecer. A este momento...