Para o mês de Maria 19

O amor fiel dos esposos

Saudação Inicial:

Presidente: Em nome do Pai e do Filho e do
Espírito Santo.

Assembleia: Ámen.

Presidente: A graça de Jesus Filho de Deus e de Maria esteja sempre
connosco.

Assembleia: Bendito seja Deus que nos reuniu no
amor de Cristo.

 

Admonição Inicial:

         «Recebo-te por meu (minha) esposo(a) e
prometo ser-te fiel, amar-te e respeitar-te, todos os dias da nossa vida». Tal
como o exprime com toda a clareza a liturgia do matrimónio, os esposos são um
presente um para o outro, um pelo outro. Esse presente, recebido das mãos de
Deus, renova-se dia a dia ao longo da vida conjugal.

         Todas as manhas, Deus oferece-me o meu
cônjuge como um dom de amor; todas as manhas, Ele convida-me a recebê-lo como
esposo. E uma das maravilhas da vida conjugal é que ela permite que se vá
descobrindo pouco a pouco o cônjuge na realidade daquilo que ele é
verdadeiramente. E alegremo-nos quando caem as ilusões, pois as ilusões são
mentiras. A realidade é sempre maior do que o sonho, porque ela é verdadeira.

         Hoje, peçamos a Maria que interceda
junto de Deus por todos os casais da nossa comunidade, dando-lhes a
clarividência do amor, porque ninguém nos vê com maior verdade do que o próprio
Deus, mas também, ninguém se maravilha mais do que Ele frente àquilo que nós
somos de verdade.

 

Recitação do Terço

Mistérios Gozosos

 

1º Mistério: Anunciação do Anjo à Virgem
Nossa Senhora

 

Na Anunciação, Maria
abre-se à vida. Ao dizer “SIM” aceita com humildade os planos de Deus e a Vida
começa a ser gerada. Nossa Senhora é a Mãe que ensinará os esposos a
entregarem-se um ao outro e a oferecerem-se a Deus como Ela o fez no momento da
Anunciação.

 

2º Mistério: A visitação de Maria à sua prima
Isabel

 

“Maria pôs-se a
caminho…” isto é, pôs-se ao serviço, em serviço de amor a sua prima, que também
havia gerado em si a vida de seu filho João Baptista. Imitando Maria devemos
estar sempre dispostos a ajudar os outros, de modo especial os esposos que
muitas vezes passam dificuldades na sua vida conjugal.

 

3º Mistério: O nascimento de Jesus em Belém

 

Neste nascimento,
realiza-se o encontro de Deus com o homem e tem início o caminho da Salvação.
“Maria conservava todos estes factos e meditava-os no seu coração” (Lc 2,19).
Não os compreendia mas sabia que os devia acolher e guardar no mais íntimo de
si própria pois tinha gerado a Vida. Que os esposos, vivendo em pleno amor,
saibam acolher os filhos como um dom de Deus.

 

 

 

 

4º Mistério: A apresentação de Jesus no
Templo

 

Nossa Senhora
obedece ao que estava mandado no Antigo Testamento e leva o seu Filho ao Templo
para o oferecer ao Senhor. Que as famílias, gerando os seus filhos, sejam
verdadeiros exemplos na transmissão dos valores do Evangelho e os ensinem a
crescer na fé.

 

 

5º Mistério: O Menino Jesus perdido e achado
no Templo

 

Aos doze anos de
Jesus, Maria escuta palavras misteriosas, de seu Filho: “Não sabias que Eu
devia estar na casa de Meu Pai?” Palavras que ela não entendia bem, mas que,
mais uma vez, acolhe-as no seu coração. Que a exemplo de Maria, os pais estejam
atentos para escutar os seus filhos.

 

P- Três Ave Marias a Nossa Senhora para que com
Maria cresçam cada vez mais as famílias que vivem a plenitude do amor.

Ave
Maria…

P- Salve Rainha…

 

Evangelho
(Mc 9, 14-29)

 

Evangelho
de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos

 

Naquele
tempo,

Jesus
desceu do monte, com Pedro, Tiago e João.

Ao
chegarem junto dos outros discípulos,

viram
uma grande multidão à sua volta

e
os escribas a discutir com eles.

Logo
que viu Jesus,

a
multidão ficou surpreendida e correu a saudá-l’O.

Jesus
perguntou-lhes:  «Que estais a
discutir?».

Alguém
Lhe respondeu do meio da multidão:

«Mestre,
eu trouxe-Te o meu filho, que tem um espírito mudo.

Quando
o espírito se apodera dele, lança-o por terra,

e
ele começa a espumar, range os dentes e fica rígido.

Pedi
aos teus discípulos que o expulsassem,

mas
eles não conseguiram».

Tomando
a palavra, Jesus disse-lhes:

«Oh
geração incrédula! Até quando estarei convosco?

Até
quando terei de vos suportar?

Trazei-mo
aqui».

Levaram-no
para junto d’Ele.

Quando
viu Jesus, o espírito sacudiu fortemente o menino,

que
caiu por terra e começou a rebolar-se espumando.

Jesus
perguntou ao pai: 

«Há
quanto tempo lhe sucede isto?».

O
homem respondeu-lhe: «Desde pequeno.

E
muitas vezes o tem lançado ao fogo e à agua para o matar.

Mas
se podes fazer alguma coisa,

tem
compaixão de nós e socorre-nos».

Jesus
disse: «Se posso?… 

Tudo
é possível a quem acredita».

Logo
o pai do menino exclamou:

«Eu
creio, mas ajuda a minha pouca fé».

Ao
ver que a multidão corria para junto d’Ele,

Jesus
falou severamente ao espírito impuro:

«Espírito
mudo e surdo, Eu te ordeno:

sai
deste menino e nunca mais entres nele».

O
espírito, soltando um grito, agitou-o violentamente e saiu.

O
menino ficou como morto,

de
modo que muitas pessoas afirmavam que tinha morrido.

Mas
Jesus tomou-o pela mão e levantou-o,

e
ele pôs-se de pé.

Quando
Jesus entrou em casa,

os
discípulos perguntaram-Lhe em particular:

«Porque
não pudemos nós expulsá-lo?».

Jesus
respondeu-lhes:

«Este
género de espíritos não se pode fazer sair,

a
não ser pela oração».

 

Palavra
da salvação.

 

Breve silêncio

 

Preces

P-Rogai por nós pecadores” é a prece que
repetimos cada dia. Na certeza da intercessão de Maria e conscientes das nossas
inúmeras dificuldades para sermos cristãos verdadeiros e famílias atentas e
comprometidas, supliquemos: Atendei, ó Mãe, a nossa prece.

 

1. Porque temos consciência que ser cristão
verdadeiro é primeiramente amar-Te na nossa família, nós Vos pedimos:

 

2. Porque somos ramos da verdadeira Videira que
é Jesus, Vosso Filho, e precisamos de viver em plenitude divina, nós Vos
pedimos:

 

3. Porque Jesus nos disse “amai-vos como eu vos
amei” e muitas vezes nas nossas famílias esse amor não existe, nós Vos pedimos:

 

4. Porque as famílias de hoje precisam de ver
as nossas boas obras e glorificar o Pai que está nos céus, nós Vos pedimos:

 

Oração conclusiva

 

P.
Senhor Jesus Cristo, dai-nos a graça de vivermos na nossa família os
sentimentos de bondade, paciência e perdão que vós vivestes no seio da vossa
família, com Maria e S. José, e concedei que todos os esposos se amem fiel e
verdadeiramente. Vós que sois Deus com o Pai na unidade do Espírito Santo.

 

P- O Senhor nos abençoe, nos livre de todo o
mal e nos conduza à vida eterna.

A Ámen.

P- Bendigamos ao Senhor.

A- Graças a Deus.

Partilhe

Facebook
WhatsApp

Mais recursos

Todas
Recursos 502
Oração 174
Músicas 0
Técnicas e Dinâmicas 31
Avaliar-me-catequista-crente
Avaliar-me como catequista e como crente!
Partilhamos um esquema de avaliação e desempenho para catequistas. Não pretende fazer acusações nem premiar...
Pentecostes-1
Pentecostes ou as línguas de fogo
O livro "Da mão para o coração - 5 minutos de criatividade para a Bíblia" sugere uma atividade para se...
6 dicas Tempo Pascal
Seis ideias para dinamizar o Tempo Pascal

Há diversas formas de convidar a comunidade a celebrar a Páscoa.

Dia do Pai
Dia do pai - celebração familiar
Este dia celebra-se no dia 19 de março, porque é o dia de S.José. Sugerimos esta breve celebração antes...
5 dicas para a Quaresma
5 dicas para dinamizar a Quaresma
Neste artigo, damos-te cinco dicas para dinamizares a Quaresma, envolvendo as crianças e famílias da...
Dramatização do Evangelho
Dramatização do Evangelho
A dramatização é uma das linguagens possíveis para anunciar o Evangelho. No teatro, comunicamos com o...
Como lidar com fracasso catequese
Como lidar com o fracasso na catequese?

Às vezes, as coisas correm mal. Como reagir?

Festa da Gratidão
Festa da Gratidão - Encerramento do ano
Quando termina um ano de atividades, é oportuno que a comunidade se reúna para agradecer. A este momento...