Quando a manifestação é «amarga»

«Diante da escola, alguns indivíduos convi­daram-nos a não entrar, a fim de participarmos numa manifestação pela paz.
O dia estava maravilhoso e não havia grandes dúvidas: abaixo a escola, viva a paz. Porém, que desilusão! A maior parte dos meus companheiros meteu-se nos bares e nas salas de jogos. Eu encontrei-me no meio de uma multidão de pessoas a gritar «slogans» não meus, e nada pacíficos. Que desilusão! Eu amo a paz e acho que é o maior bem, mas não estou certa se contribui para a paz, faltando à escola.
Que se deve fazer nestes casos?».

Viva a paz das 8… às 13

Que hei-de dizer? Não simpatizo com quem se compromete pela paz apenas das 8 às 13, durante o horário das aulas. Conheço muitos desses indivíduos — eles e elas — que se entusiasmam pela paz (ou por outros nobres valores)… desde que não se lhes peça nada à tarde ou nos dias de férias.
Como, actualmente, é difícil organizar manifes­tações imponentes que mereçam a atenção dos telejornais, todos vão bater à porta dos estudantes. Estes, se não entram na escola, não perdem o ordenado, dão uma alegria não confessada aos professores, que têm tantas coisas para fazer nessas horas providencialmente livres, não arriscam nada, nem sequer os protestos dos pais, que aceitam facilmente o argumento: «Foram todos! Não viram na televisão?»
Há poucos motivos para satisfação! Até os «glo­riosos» sindicatos são obrigados a organizar mani­festações nas horas que menos prejudiquem o tempo livre dos trabalhadores, para conseguir um número que não faça rir os adversários! Compreendo per­feitamente o amargo de boca dos jovens mais sen­síveis, que se sentem atraiçoados nos seus ideais mais belos nestas manifestações matinais.

Manifestações, sim ou não?

Não é fácil dar uma resposta que sirva para todos os casos. Apesar disso, damos algumas orientações que não pretendem nem devem servir de receitas.
É indispensável procurar não nos encontrarmos totalmente impreparados ante as solicitações dos «organizadores das manifestações». Com um pouco de atenção, consegue saber-se com antecipação o que se está a preparar, quais os objectivos da iniciativa e de quem parte.
Seria uma boa ideia, na véspera, ter uma con­versa com os pais.
«Mas eles dizem sempre não a tudo! Não fazem senão repetir: eu participei em tantas manifestações e não serviram para nada!»
Por vezes é assim, mas falar tem sempre inte­resse. Pode acontecer que o vosso pai, tendo lido os jornais, tenha alguma informação a dar.
Se a manifestação não é séria: anuncia uma fina­lidade (a paz) mas, na realidade, procura uma outra (os interesses de um partido). Se não estais de acordo com as finalidades e o estilo de manifestação ou se, sobre­tudo, os organizadores não vos merecem confiança, porque os conheceis como malandros, não aderis.
«É uma opinião!» Eu sei! Até porque pode acon­tecer que, porque não fostes, vos encontreis na sala de aula apenas uns dois ou três e suportais a ira do professor que ficou sem a manhã livre.
Mas ainda está por descobrir uma escolha séria e construtiva que não exija sacrifício.
Se julgais que não é prudente entrar na escola, ide estudar para casa. Não perdereis a manhã e a vossa consciência ficará em paz.

Um contágio benigno

Estais convencidos que é justo manifestar-se em favor da paz? Estais disponíveis para sacrificar também as vossas tardes? Se a resposta é sim, participai na manifestação e, mesmo que haja quem se escapa para os bares ou brinca, fazei de modo que essa manhã faça crescer em vós o amor pela paz.
Estou convencido que também a manifestação em favor da paz, que nasceram mal ou foram favo­recidos no último minuto com o entusiasmo… pelas férias, podem servir para inculcar o amor pela paz.
O amor pela paz é contagioso e acaba por influenciar os que começaram por brincadeira ou por outros motivos.
Se uma manifestação em tempo de aulas pode servir para nos tornar mais pacíficos… paciên­cia! É um dos casos em que se junta o útil ao agra­dável.

Partilhe

Facebook
WhatsApp

Mais recursos

Todas
Recursos 502
Oração 174
Músicas 0
Técnicas e Dinâmicas 31
Avaliar-me-catequista-crente
Avaliar-me como catequista e como crente!
Partilhamos um esquema de avaliação e desempenho para catequistas. Não pretende fazer acusações nem premiar...
Pentecostes-1
Pentecostes ou as línguas de fogo
O livro "Da mão para o coração - 5 minutos de criatividade para a Bíblia" sugere uma atividade para se...
6 dicas Tempo Pascal
Seis ideias para dinamizar o Tempo Pascal

Há diversas formas de convidar a comunidade a celebrar a Páscoa.

Dia do Pai
Dia do pai - celebração familiar
Este dia celebra-se no dia 19 de março, porque é o dia de S.José. Sugerimos esta breve celebração antes...
5 dicas para a Quaresma
5 dicas para dinamizar a Quaresma
Neste artigo, damos-te cinco dicas para dinamizares a Quaresma, envolvendo as crianças e famílias da...
Dramatização do Evangelho
Dramatização do Evangelho
A dramatização é uma das linguagens possíveis para anunciar o Evangelho. No teatro, comunicamos com o...
Como lidar com fracasso catequese
Como lidar com o fracasso na catequese?

Às vezes, as coisas correm mal. Como reagir?

Festa da Gratidão
Festa da Gratidão - Encerramento do ano
Quando termina um ano de atividades, é oportuno que a comunidade se reúna para agradecer. A este momento...