Quando despontam os cornos do demónio

«Ontem vi na televisão um filme sobre posses­sões diabólicas, exorcismos e outras coisas pare­cidas. Durante toda a noite não fechei olho: cada vez que havia um movimento na cama, tinha a sensação de ser o demónio que vinha apoderar-se de mim.
Peço-te: tranquiliza-me. O que existe de ver­dadeiro nestas histórias de possessos e de exor­cismos? Por que se fala tanto disso? Existe verdadeiramente o demónio? Qual é a sua apa­rência? Como reconhecer a sua presença? Como vencê-lo?».

O demónio em primeira página

Quem poderia imaginar, há vinte anos, que na época do triunfo do computador, o demónio iria con­quistar as primeiras páginas dos jornais, os écrans da televisão e as salas cinematográficas?
Por que se fala tanto dele? O actual interesse exagerado pelo demónio, provavelmente como reacção aos anos recentes quando, com a ilusão de que a ciência e a técnica podiam explicar tudo, era absolutamente proibido falar de realidades espi­rituais.
Nestes últimos anos, começou-se a reflectir: «Hoje o alimento e o vestuário não são problema, vestimo-nos como outrora se vestiam apenas os príncipes, pode fazer-se tudo o que se quiser, porque foram eliminados todos os tabus, poder-se-ia viver tão bem e, pelo contrário, existe à nossa volta tanta maldade! De quem será a culpa? Deve existir alguém que vem pôr a nódoa no melhor pano!».
É o eterno problema do mal que, atirado pela porta fora, entra pela janela. E eis o demónio.

O demónio como «spot»?

Que dizer acerca deste interesse pelo demónio? Será um sinal de que as pessoas estão a superar o pesado horizonte dos interesses materiais: comer, enriquecer, divertir-se?
Nem sempre é assim. Muitas vezes esta curio­sidade, quase mórbida, pelo demónio é a tentativa mesquinha de pessoas cheias de tédio e vazias em procurar sensações fortes.

Uma prova: se quem fala do demónio — de forma séria — é o Papa, todos protestam e os costu­mados peritos riem-se de tudo isto, falando de obscurantismo. Porquê? Elementar. O Papa fala do demónio de forma incómoda, porque convida a contestá-lo, mudando de vida, renunciando ao egoísmo, à violência, à injustiça.
Se, pelo contrário, quem fala dele são os reali­zadores de cinema e os jornalistas, com abundantes factos sensacionais, então todos abrem bem os ouvidos e ficam até altas horas da noite para ver como irá acabar a «interessantíssima» transmissão.
Como não desconfiar destes que atiçam a curio­sidade, acerca do demónio, para darem espectáculo e ganharem dinheiro?

Existirá o demónio?

A Bíblia não admite dúvidas: o demónio existe e é forte. Poderá demonstrar-se a sua existência com a razão? Não?
O demónio, como Deus, é uma realidade que não pode ser demonstrada com o metro, a balança ou o microscópio, porque é um ser espiritual.
Mas como é feito o demónio? É aquele homen­zarrão com o pêlo vermelho, os chifres e a insepa­rável forquilha nas mãos? Esta representação fanta­siosa, que vem não da Bíblia mas da imaginação popular, é perigosa porque nos desvia da questão.
O demónio é uma «pessoa» mas não como somos nós: é uma força, é uma potência. Se queremos ajudar-nos com a imaginação, podemos dizer que ele é como uma treva que esconde a luz, como o «smog» que polui o ar limpo, como a por­caria que inquina os rios e os mares, como a geada que mata as plantas ao nascer. É um veneno inteligente, que se insinua nas mentes e nos corações para se opor ao Deus que ele rejeitou.

Como reconhecê-lo

Não é fácil reconhecê-lo. Mas, quando nos encontramos diante de qualquer coisa de malvado, que é difícil explicar com motivações humanas, é oportuno suspeitar que ele está aí presente. A violência contra as crianças, o desprezo pela vida humana (o aborto, o comércio da droga), a pre­potência dos ricos contra os pobres, a exploração dos mais fracos… são algumas das maldades que nos fazem suspeitar que são obra do demónio.
Quando os homens e as mulheres fazem aquilo que os animais, criaturas de Deus como nós, não teriam a coragem de fazer, quer dizer que aí está o fedor do demónio, do «inimigo», do «adversário» (como lhe chama a Bíblia).

Como vencer o demónio?

Primeira arma: fazer o bem. Cada acto de bondade é um murro nos dentes do demónio.
Segunda arma: a participação na Eucaristia, nos sacramentos da Reconciliação ou Confissão. O Demónio é mais forte que a pessoa (mas não até ao ponto de a obrigar a fazer o mal!), mas foge em retirada, quando Jesus Cristo entra em campo. E os sacramentos trazem-nos a força de Cristo.
Terceira arma: evitar decididamente tudo o que lhe pode criar espaços: superstição, magia, espiri­tismo. A Igreja, sabiamente, proíbe que os cristãos participem, mesmo por mera curiosidade, em semelhantes práticas.
Finalmente: é inútil pensar muito no demónio. Quem nos salva não é o medo do demónio mas a confiança em Deus, que se revelou em Jesus Cristo. Para vencer o medo da escuridão, basta uma pequena luz, mesmo que seja a de um fósforo.

Partilhe

Facebook
WhatsApp

Mais recursos

Todas
Recursos 502
Oração 174
Músicas 0
Técnicas e Dinâmicas 31
Avaliar-me-catequista-crente
Avaliar-me como catequista e como crente!
Partilhamos um esquema de avaliação e desempenho para catequistas. Não pretende fazer acusações nem premiar...
Pentecostes-1
Pentecostes ou as línguas de fogo
O livro "Da mão para o coração - 5 minutos de criatividade para a Bíblia" sugere uma atividade para se...
6 dicas Tempo Pascal
Seis ideias para dinamizar o Tempo Pascal

Há diversas formas de convidar a comunidade a celebrar a Páscoa.

Dia do Pai
Dia do pai - celebração familiar
Este dia celebra-se no dia 19 de março, porque é o dia de S.José. Sugerimos esta breve celebração antes...
5 dicas para a Quaresma
5 dicas para dinamizar a Quaresma
Neste artigo, damos-te cinco dicas para dinamizares a Quaresma, envolvendo as crianças e famílias da...
Dramatização do Evangelho
Dramatização do Evangelho
A dramatização é uma das linguagens possíveis para anunciar o Evangelho. No teatro, comunicamos com o...
Como lidar com fracasso catequese
Como lidar com o fracasso na catequese?

Às vezes, as coisas correm mal. Como reagir?

Festa da Gratidão
Festa da Gratidão - Encerramento do ano
Quando termina um ano de atividades, é oportuno que a comunidade se reúna para agradecer. A este momento...