Quando entra a simpatia

«Por que é que os professores não são impar­ciais? No meu exercício, cada erro é gravíssimo. No da minha colega, os mesmos erros são uma simples distracção. Quando sou interrogada, na primeira dúvida, começa o sermão: «Não sabes estudar. Vê-se que aprendes tudo de cantilena! Vê-se que não estiveste com atenção!». Quando a minha colega é interrogada, a música é totalmente diferente: «Diz o que sabes, coragem!».
Por que é que devem existir estas injustiças? Os professores não deveriam ser imparciais?».

Um perfeito enigma

A carta propõe um daqueles argumentos que nos deixam desarmados porque, qualquer coisa que se diga, no final, os professores permanecerão conven­cidos que são absolutamente imparciais e os alunos convencidos do contrário.
Apeteceria encerrar a questão com um: «Os professores não são parciais. Deixai-vos destas coisas e pensai em estudar mais!» Ou uma eva­siva: «Os professores não são imparciais? Não façais caso. Cumpri o vosso dever e basta!».
Mas seria uma cobardia. Entremos corajosa­mente no labirinto.

O que é a simpatia?

A simpatia — diz o vocabulário — é uma inclinação instintiva que atrai duas pessoas. A palavra mais importante da definição é «ins­tintiva», isto é, nasce por si só, sem a nossa vontade, sem a intervenção do controlo do cérebro. Encon­tras uma pessoa pela primeira vez e, «zás», tor­na-se para ti simpática, porque tem aquele nariz, aquele sorriso, aquela forma de caminhar, aquele penteado. Pelos mesmos motivos, a mesma pessoa tornar-se-á antipática para um outro, o qual dirá: «Tem um nariz que parece uma batata; tem um riso de macaco; uma forma de caminhar afectada; um penteado horrível».
Não há nada a fazer: a simpatia cai-nos em cima, não somos nós que a vamos procurar.

Efeito «auréola»

Mas que importância tem, se o João gosta do nariz da Joana? O problema é deles.
A coisa não é assim tão inocente, devido ao efeito «auréola». Isto é: se o vizinho da Joana nos é simpático, ela também será para nós valente e boa.
E se a cara do João nos é antipática, ele será para nós prepotente, ignorante, mau. Sucede assim que um é julgado como delinquente, simplesmente porque tem um horrível nariz.
E vamos ao caso dos professores. O professor interroga a Paula, que lhe é simpática, devido aos seus olhos azuis que lhe recordam a sua avó. Até aqui nada de mal.
Mas os olhos azuis criam uma «auréola» à volta da jovem, que portanto deve ser também formidável e os seus erros de gramática não passarão de distracções inocentes.
Pelo contrário, os erros da Cristina, cujo olhar finório lhe recorda o da sua insuportável vizinha do prédio, são uma demonstração de ignorância. Se a Cristina experimentar dizer alguma coisa, não obterá outro resultado senão confirmar a convicção da professora, a qual pensará: «Eu bem dizia que é uma aluna que não entende os seus erros!».
Mas se fosse a Paula a dizer à professora: «Veja, senhora doutora, que eu não sou assim tão boa aluna como pensa», a professora levantaria um dedo e afirmaria: «Eu sempre disse que a Paula é um amor de rapariga. Vejam só como ela é humilde!».

Que fazer?

Basear as nossas relações sociais e profissionais na simpatia é um sinal de grande falta de maturidade. E com os imaturos é difícil raciocinar. A única solução possível é a intervenção dos não directa­mente interessados.
Se na vossa turma se verifica um caso deste género, é necessário que sejam os colegas de escola a enfrentar o problema. Obviamente, com educação e boas maneiras: «Senhor professor, procure conhe­cer melhor a Cristina. Nós sabemos que ela é inteligente e que estuda».
Se, numa turma de 25 alunos, 23 intervêm a favor da Cristina, é provável que a professora mude de opinião. E, pelo contrário, é inútil que a Paula e a Cristina digam ou façam qualquer coisa.

Partilhe

Facebook
WhatsApp

Mais recursos

Todas
Recursos 502
Oração 174
Músicas 0
Técnicas e Dinâmicas 31
Avaliar-me-catequista-crente
Avaliar-me como catequista e como crente!
Partilhamos um esquema de avaliação e desempenho para catequistas. Não pretende fazer acusações nem premiar...
Pentecostes-1
Pentecostes ou as línguas de fogo
O livro "Da mão para o coração - 5 minutos de criatividade para a Bíblia" sugere uma atividade para se...
6 dicas Tempo Pascal
Seis ideias para dinamizar o Tempo Pascal

Há diversas formas de convidar a comunidade a celebrar a Páscoa.

Dia do Pai
Dia do pai - celebração familiar
Este dia celebra-se no dia 19 de março, porque é o dia de S.José. Sugerimos esta breve celebração antes...
5 dicas para a Quaresma
5 dicas para dinamizar a Quaresma
Neste artigo, damos-te cinco dicas para dinamizares a Quaresma, envolvendo as crianças e famílias da...
Dramatização do Evangelho
Dramatização do Evangelho
A dramatização é uma das linguagens possíveis para anunciar o Evangelho. No teatro, comunicamos com o...
Como lidar com fracasso catequese
Como lidar com o fracasso na catequese?

Às vezes, as coisas correm mal. Como reagir?

Festa da Gratidão
Festa da Gratidão - Encerramento do ano
Quando termina um ano de atividades, é oportuno que a comunidade se reúna para agradecer. A este momento...