Quando o diálogo se torna monólogo

«Leio sempre a vossa revista. Ultimamente, também outras revistas para jovens. Notei que estas últimas falam frequentemente de um problema que a nossa simpática revista ignora completamente: a masturbação. Porquê? Será verdade que os católicos têm medo do sexo e consideram-no um tabu? Gostaria muito de ser esclarecida sobre este assunto».

Libertemos o terreno

Antes de mais, libertemos o terreno de precon­ceitos: a sexualidade é um bem, porque Deus nos criou homens e mulheres. A primeira página da Bíblia, depois da criação do homem e da mulher, faz exclamar a Deus: «O que eu fiz é muito belo e bom».
Esta mensagem era revolucionária, porque as pessoas consideravam o sexo como algo de tene­broso, de ameaçador e sujo. Actualmente, parece acontecer o contrário: enquanto os mass-média e as pessoas que se deixam manipular por eles consideram o sexo como uma coisa normalíssima, a Igreja faz dele um problema. Mas será realmente assim?

O sexo, usa e deita fora

Devido à mentalidade da sociedade de consumo, o sexo é uma coisa banalíssima, uma «função biológica» — cito uma das revistas para jovens — como «comer e beber», uma sensação agradável como quem saboreia uma bebida fresca no Verão.
O que é que existe de mal, portanto, em sentir uma sensação agradável?
Serás palerma se renuncias a ela. A vida não é outra coisa senão um conjunto de sensações: lamber um grande gelado, saborear um copo de cerveja, correr numa motorizada, experimentar o prazer associado aos órgãos sexuais.
Para os cristãos, pelo contrário, o sexo é relação, diálogo, encontro com o outro. É isto que nos faz existir e reconhecer como pessoas. É isto que nos torna disponíveis aos outros da forma mais profunda: transmitir a vida.
É evidente: de concepções tão diferentes acerca do sexo, a avaliação dos comportamentos sexuais têm necessariamente de ser diferentes.

Monólogo ou diálogo

A masturbação. É a procura do prazer sexual mediante o estímulo solitário dos próprios órgãos sexuais. É bem ou é mal? Quem considera o sexo exclusivamente como sensação ou prazer, dirá, obviamente, que é um bem: «Produz prazer? Sim. Portanto, é um bem».
Quem, pelo contrário, aceita o sexo como uma força que Deus nos deu para nos abrirmos ao outro, não será assim tão superficial. De facto, o prazer não pode ser o único critério para julgar as acções humanas.
Um exemplo: Comer dá prazer? E como!… Quem, de outro modo, trabalharia para conseguir ganhar para ter todos os dias boas refeições? Mas que pensar de uma pessoa que passa o tempo a comer pastéis, bifes, chocolates e a engordar como um animal, a apanhar diabetes, a prejudicar o coração? Que vos parece? Considero essa pessoa como um pobre deficiente! O prazer de comer, na verdade, não é um fim em si próprio, porque não se vive para comer, mas come-se para viver.
O raciocínio não pode mudar no respeitante ao prazer sexual. Ele não é um fim em si mesmo, mas foi-nos dado para nos impelir a ir ao encontro dos outros, tendo como projecto a comunhão de amor que transmite a vida.
Mas então procurar o prazer sexual a sós é um mal? Não é um bem, sobretudo quando não se trata de uma curiosidade passageira, ligada ao momento do desenvolvimento sexual, mas um gesto que se repete até se tornar num hábito.

Comer ou estar à mesa

Imaginemos um indivíduo que come sempre sozinho, a um canto da cozinha, voltado para a parede. Ele experimenta certamente prazer em atirar-se a um bom bife: o seu estômago enche-se e o seu corpo recupera energias perdidas.
Imaginemos agora alguns amigos que estão à mesa com uma bela toalha branca, com flores ao centro, com talheres, com os pratos cheios, os olhares alegres e muita alegria. Aqui o prazer de comer torna-se relação, diálogo, amizade sempre mais profunda.
Vi mil vezes nos restaurantes duas pessoas sentarem-se à mesma mesa, puxar cada qual o seu jornal, metê-lo diante dos olhos e começar a comer lendo política e desporto, sem olharem para o outro. Bem. Aqueles que se habituam — em todos os campos e sobretudo na sexualidade — a contentar-se com o prazer a sós, arriscam-se a acabar os dias no restaurante.
Quem tem razão, o consumismo ou a Igreja? Cada qual tem a sua cabeça para pensar: faça-a funcionar e lembre-se que nem tudo o que luz é ouro.

Partilhe

Facebook
WhatsApp

Mais recursos

Todas
Recursos 502
Oração 174
Músicas 0
Técnicas e Dinâmicas 31
Avaliar-me-catequista-crente
Avaliar-me como catequista e como crente!
Partilhamos um esquema de avaliação e desempenho para catequistas. Não pretende fazer acusações nem premiar...
Pentecostes-1
Pentecostes ou as línguas de fogo
O livro "Da mão para o coração - 5 minutos de criatividade para a Bíblia" sugere uma atividade para se...
6 dicas Tempo Pascal
Seis ideias para dinamizar o Tempo Pascal

Há diversas formas de convidar a comunidade a celebrar a Páscoa.

Dia do Pai
Dia do pai - celebração familiar
Este dia celebra-se no dia 19 de março, porque é o dia de S.José. Sugerimos esta breve celebração antes...
5 dicas para a Quaresma
5 dicas para dinamizar a Quaresma
Neste artigo, damos-te cinco dicas para dinamizares a Quaresma, envolvendo as crianças e famílias da...
Dramatização do Evangelho
Dramatização do Evangelho
A dramatização é uma das linguagens possíveis para anunciar o Evangelho. No teatro, comunicamos com o...
Como lidar com fracasso catequese
Como lidar com o fracasso na catequese?

Às vezes, as coisas correm mal. Como reagir?

Festa da Gratidão
Festa da Gratidão - Encerramento do ano
Quando termina um ano de atividades, é oportuno que a comunidade se reúna para agradecer. A este momento...