Quando todos a têm

«Dentro de poucos dias faço 14 anos e os meus pais não querem decidir-se a oferecer-me uma motorizada. A minha mãe tem medo que eu me vá imediatamente enfaixar contra um camião. O meu pai veio logo com a história do costume: que só conseguiu ter uma velha bicicleta aos 23 anos, e com o seu dinheiro. Como posso convencer os meus pais de que já não sou uma criança, e que não me podem obrigar a passar fome só porque eles também a passaram?
Disse e repeti que todos os meus colegas de escola têm uma motorizada, mas o meu pai ficou ainda mais irritado…».

A dificuldade de crescer

Mesmo que vos ofendais, quero confessar-vos que, ao ler certos «problemas», sinto verdadeira­mente uma grande alegria.
«Que graça é que tem?» direis vós. Estas bata­lhas «terríveis» entre pais e filhos estão agora na ordem do dia. E acabam sempre com uma vitória do filho. E dois que perdem contra um (e mais pequeno!) dá sempre para rir.
Depois têm graça os diálogos das duas partes em campo: uma afirmação e o contrário da mesma. «Já não sou uma criança», protesta o filho. «És ainda uma criança», insistem os pais.
É o jogo da vida que se repete e continuará a repetir-se. Quando também vós vos tornardes mãe e pai, o que é que ireis responder ao vosso filho que vos vem pedir uma motorizada?
Procuremos, pois, desdramatizar este problema com um pouco de humor. Até porque rir faz bem à saúde… não só do corpo!
O «grande» a certas horas
Desta vez o filho afirmava a plenos pulmões: «Já não sou uma criança! Sei o que é preciso fazer!» Ssst! Não digam a ninguém! Poucos minutos antes, a mãe teve de ir certificar-se se ele tinha feito os deveres escolares. O mesmo «homenzinho» ficaria tranqui­lamente a dormir até às onze, se de manhã a mãe não suasse sete camisas para o fazer sair da cama.
Bem! Não vos parece que viver como crianças (quero tudo e não dou nada) e declarar-se adulto é uma forma um pouco arriscada de convencer os pais do crescimento?
Não respondais demasiado rapidamente. Pensai antes um pouquinho.

O medo da mãe

«A minha mãe considera-me quase como um deficiente; pensa que, logo que saia com a minha motorizada, irei enfaixar-me contra um camião.»
Escutai esta. Há alguns meses, quando se tor­naram notícia os transplantes, um meu amigo brin­calhão, ao ver um de vós a passar na sua motorizada e estando o semáforo vermelho, exclamou: «Carne para transplantes!».
Não venham dizer-me que a motorizada não é perigosa e que a mãe não se deve preocupar.
«Mas eu já lhe disse mil vezes que serei pru­dente!».
Certas coisas não se devem dizer: é preciso demonstrá-las. Se a vossa mãe vos viu indo três na mesma motorizada, ou talvez a correr com a roda dianteira levantada, não bastam as palavras para a convencer.

As recordações do pai

E vamos agora ao pai, que recorda os dias da sua infância.
Vós não tendes dificuldade em trazer à baila a vossa experiência: «Na minha turma todos a têm». E o vosso pai não pode apresentar a sua experiência? As regras de jogo não devem valer para todos?
Não é certamente por culpa vossa se há trinta anos ainda não havia o poder de compra que há hoje, mas não é uma ideia perversa lembrar-se que os pais não são estátuas de pedra sem passado.
Quem sabe escutar, será também escutado. Isto vale também para os pais, não apenas para os amigos. E um pedacinho de gratidão não faz mal a ninguém… mesmo para se obter aquilo que se pede!

Mas nós queremos a motorizada

Não tenho qualquer ilusão de vos ter convencido a renunciar à motorizada. «Caramba, se todos a têm, por que é que não a hei-de ter?».
Sei também que estais a resmungar «Este desta vez colocou-se do lado dos pais!» Estais enganados! E ficai a saber que este é o melhor caminho para obterdes a motorizada ao chegardes aos quinze anos. Como? Ainda não percebestes? Vamos resumir:
1. Quando pedirdes uma coisa «de grandes», começai pelo menos algum dia antes, a compor­tar-vos como grandes, por exemplo: cumprindo o vosso dever sem ser necessário que vo-lo recordem.

2. Os pais também gostam, como vós, de ser escutados. Eles têm o direito, pelo menos, à mesma
paciência e cortesia que demonstrais com os amigos.

3. Em vez de dizer que quereis uma coisa «porque todos a têm», tentai explicar a vós próprios e aos pais «para que» serve essa coisa.
Talvez acabe por ser desnecessária.

Partilhe

Facebook
WhatsApp

Mais recursos

Todas
Recursos 502
Oração 174
Músicas 0
Técnicas e Dinâmicas 31
Avaliar-me-catequista-crente
Avaliar-me como catequista e como crente!
Partilhamos um esquema de avaliação e desempenho para catequistas. Não pretende fazer acusações nem premiar...
Pentecostes-1
Pentecostes ou as línguas de fogo
O livro "Da mão para o coração - 5 minutos de criatividade para a Bíblia" sugere uma atividade para se...
6 dicas Tempo Pascal
Seis ideias para dinamizar o Tempo Pascal

Há diversas formas de convidar a comunidade a celebrar a Páscoa.

Dia do Pai
Dia do pai - celebração familiar
Este dia celebra-se no dia 19 de março, porque é o dia de S.José. Sugerimos esta breve celebração antes...
5 dicas para a Quaresma
5 dicas para dinamizar a Quaresma
Neste artigo, damos-te cinco dicas para dinamizares a Quaresma, envolvendo as crianças e famílias da...
Dramatização do Evangelho
Dramatização do Evangelho
A dramatização é uma das linguagens possíveis para anunciar o Evangelho. No teatro, comunicamos com o...
Como lidar com fracasso catequese
Como lidar com o fracasso na catequese?

Às vezes, as coisas correm mal. Como reagir?

Festa da Gratidão
Festa da Gratidão - Encerramento do ano
Quando termina um ano de atividades, é oportuno que a comunidade se reúna para agradecer. A este momento...